Home » Autor: Marcos Troyjo

Autor: Marcos Troyjo

Marcos Troyjo
Marcos Troyjo é graduado em ciência política e economia pela Universidade de São Paulo (USP), doutor em sociologia das relações internacionais pela USP e diplomata. É integrante do Conselho Consultivo do Fórum Econômico Mundial, diretor do BRICLab da Universidade Columbia, pesquisador do Centre d´Études sur l´Actuel et le Quotidien (CEAQ) da Universidade Paris-Descartes (Sorbonne), fundador do Centro de Diplomacia Empresarial e conselheiro do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE).

Argentina, novas ‘relações carnais’

A força arregimentada por Bush pai na 1ª Guerra do Golfo contou com reforço simbólico. Nove anos após o traumático conflito nas Malvinas e o estranhamento com potências ocidentais, a Argentina remetia uma fragata ao esforço de constranger o apetite de Saddam Hussein por sua vizinhança. Com o gesto,...

Leia mais »

Hipersensibilidade jeca

A tensão governo brasileiro-mercado é reveladora dos repentes e erupções emocionais que acumulamos em nossa interação com o mundo. Além de erros de diagnóstico ou visão de futuro, tal acervo de improvisos demonstra amadorismo e desconforto na convivência com uma sociedade aberta e global. É agravado por atabalhoamento juvenil...

Leia mais »

O poderoso feng shui do senhor Xi

Tendo por epicentro a Cúpula dos Brics e a visita ao Brasil, o presidente chinês, Xi Jinping, realizou rosário de encontros com líderes latino-americanos nos últimos dias. Às diferentes vibrações negativas dos interlocutores latinos respondeu com um poderoso feng shui de promessas. Buscou harmonizar cada interlocutor com o cenário...

Leia mais »

‘Brics 2.0′ e sua prova de fogo

Chamar a atenção do mundo para seu potencial como propulsores do crescimento global –esta é a essência dos “Brics 1.0″. Depois da Cúpula de Fortaleza, ao lado da projeção geoeconômica, acrescenta-se à sigla uma família institucional. O Novo Banco de Desenvolvimento (NBD) é seu primogênito. Seu sucesso e sua...

Leia mais »

Erros que os Brics têm de evitar

O principal resultado da Cúpula dos Brics (grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) na próxima semana em Fortaleza será o avanço no processo de construção institucional. Isso se dará sobretudo com a formalização do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) e do Mecanismo Contingente de...

Leia mais »

O crescimento do PIB e seus descontentes

Hoje há um grande frenesi em torno da dualidade “crescimento-desigualdade”. Duas investidas recentes acirram o debate. A primeira é o Índice de Progresso Social (IPS), que busca aferir o desenvolvimento relativo dos países sem utilizar o referencial do PIB. A segunda, a acalorada recepção a O capital no século...

Leia mais »

Iraque: choque e espanto

Há 11 anos, Kadom Al-Jabouri ficou famoso como o homem que, com uma marreta na mão, começou a derrubar a estátua de Saddam Hussein na Praça Firdos, em Bagdá. A imagem supostamente legitimava a ação de EUA e aliados na queda da ditadura que controlava o país desde 1979....

Leia mais »

Quem é conservador no mundo?

O discurso que antagoniza “conservadores” a “progressistas” é característico do panorama político da Europa ibérica e da América Latina. Ambas palavras já serviram para contrapor monarquistas a constitucionalistas; escravocratas a burgueses liberais, e tantos outros embates. Da Espanha à Argentina, passando, é claro, pelo Brasil, o significado de tais...

Leia mais »

As ‘modificações’ da Índia

A ascensão de Narendra Modi ao governo da Índia gera grande expectativa na comunidade internacional. Seu apego a reformas modernizantes – surpreendente na disfuncional classe política indiana – projeta gigante asiático com potencial de crescimento anual de 8% por muitas décadas, à semelhança da China nos últimos trinta anos....

Leia mais »

O urso e o dragão

Quebrar a espinha-dorsal do comunismo como força geopolítica. Topo da agenda da política externa norte-americana durante a Guerra Fria. Encontros secretos entre Kissinger e Chou-En-Lai nos anos 70 abriram avenida entre EUA e China — e esta desacoplou-se do bloco comunista. Ante o potencial de relacionamento com o Ocidente,...

Leia mais »

Ataque às multis brasileiras

Das 15 maiores economias do mundo, a do Brasil é a menos internacionalizada, tanto pelo pequeno número de empresas nacionais com presença no exterior como pela baixa participação no comércio mundial. A insularidade incomoda há tempos. Desde que descoberto por Cabral há 514 anos, se excetuarmos os ciclos de...

Leia mais »

Eclipse global do Brasil

Países, assim como estilos, entram e saem de moda. No início dos anos 90, México e Tailândia estavam com tudo. A “crise tequila” de 94 e “maquiladoras” ofuscadas pela hipercompetitividade chinesa minaram o entusiasmo pelo primeiro. Em 97, o derretimento do baht tailandês precipitou o colapso financeiro do Sudeste...

Leia mais »

EUA em declínio?

O peso dos EUA no cenário global está diminuindo? A questão segmenta os que vislumbram declínio ou aumento da importância relativa do país no mundo. “Declinistas” apontam que, em 1950, os EUA representavam metade do PIB mundial, contra apenas 20% hoje. Em 2023, observaremos um eclipse em que a...

Leia mais »

Emergentes: a “Grande Triagem”

Grandes mamíferos, assim como investidores internacionais, são hipersensíveis. Comportam-se como manada. Reagem instintivamente a oportunidade e perigo. Bancos de investimento são intérpretes, e muitas vezes origem, do estouro da boiada. Após 6 anos em que mercados desenvolvidos foram fonte de más notícias, é hora dos emergentes sentirem o impacto...

Leia mais »

Brasil-Mundo: 10 resoluções para 2014

A relação Brasil-Mundo começa 2014 de forma paradoxal. Por um lado, consolida-se a recuperação econômica global. Deveria ser fato a comemorar. Por outro, as características desse melhor cenário internacional não representam campo fértil para as apostas feitas pelo país. Há um tempo, melhor saúde da OCDE augurava mais exportações...

Leia mais »

China: a grande vitoriosa da OMC

O principal tema acordado na reunião da Organização Mundial do Comércio (OMC) em Bali foi a chamada “facilitação de comércio” (uniformização e otimização de processos aduaneiros). Trabalho dos economistas Gary Hufbauer e Jeffrey Schott, “Payoff from the World Trade Agenda 2013″, serviu como pedra-de-toque no convencimento da opinião pública...

Leia mais »
Voltar ao Topo